Sertão, desafios e insistências!

Por Adeodata dos Anjos

O sertão é um encanto, um milagre, uma louvação, um bioma conhecido como seco, no entanto, mas parece mais é com um paraíso. Faz muito bem a alma da gente contemplar a beleza exuberante dessa terra sagrada!

Nos dias 15 a 18 de maio aconteceu na roça do IRPAA (Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada) em Vagem da Cruz, Juazeiro, BA, o 13º Curso de Leitura Bíblica contextualizada com o Semiárido Nordestino. Foi interessante ver como é conduzida essa leitura bíblica por uma ONG que aposta na viabilidade do sertão.

O público predominante era de jovens, a maioria de escola família agrícola. O João Gnadlinger, assessor do seminário, procurou uma metodologia mais participativa com trabalhos em equipes fazendo com que os grupos fossem se apropriando do tema, “a sabedoria do povo na terra prometida” e foi utilizando materiais já produzidos pelo IRPAA como a cartilha que trata da busca da água no sertão. Cada dia um grupo de estudantes da Escola Agrícola de Juazeiro apresentava um resumo sobre um tipo de povo que ali predomina: os povos indígenas, cujo Deus é Tupã, os quilombolas com seu Deus Olorum e os povos de fundo de pasto com o Deus dos povos. Foi assim que eles se apresentaram e se identificaram religiosamente.

As cinco linhas de luta pela água

Na Bahia existe a lei do fundo de pasto e tem sido uma das causas mais comum da luta pela terra. É muito importante para os povos do semiárido viverem em uma comunidade onde se tem um terreno livre para os animais pastarem e conservarem pelo menos cinco tipos de água na comunidade. O IRPAA trabalha em sua metodologia as cinco linhas de luta pela água: 1-água para o consumo de cada família – mais indicada é a água de chuva; 2-água da comunidade – fornecida por tanques, barreiros, cacimbas ou poços; 3-água de produção – essa é guardada na própria terra, através de cobertura orgânica, composto, barragens subterrâneas e outros; 4-água de emergência – para ser usada na hora de maior necessidade na seca como barragens ou poço tubular, artesiano, chafariz; 5-água do meio ambiente – que vem das fontes que existem no meio: riachos, lagoas, brejos, poços e do próprio equilíbrio da caatinga. De acordo com a Cartilha “ A busca da água no sertão” (5ª Edição 2011 p.62,63), o meio ambiente fornece água para as necessidades dos seres humanos, mas parte dessa água deve ficar disponível para a conservação e o funcionamento adequado do ecossistema.

A sabedoria nasce da experiência

Durante o seminário essa realidade do sertão foi sendo conduzida através de temas como a sabedoria do povo da terra prometida e a sabedoria dos povos do sertão. O Livro dos provérbios e o sermão da montanha foram os textos mais utilizados para iluminar essa realidade. Todas as noites eram exibidos filmes sobre a realidade do semiárido, as lutas, as conquistas e foi quase um culto direcionado ao sertão.

O sertão está bem castigado pela seca. Ao mesmo tempo em que é lindo é desafiante viver no Sertão. Mas o povo insiste, persevera, é sabido, conhece, cria. Durante um momento de mística numa manhã ao ar livre o João apontou para o céu e disse: “Está nublado, isso significa que nos lugares que tem costume de chover nesse período do ano está chovendo agora”! No dia seguinte pela manhã caiu um chuvisco e uma senhora fez uma louvação a Deus agradecendo pela importância daquela chuvinha para a respiração das plantas da caatinga. É lindo observar a sabedoria popular adquirida pela convivência com o clima. É a Palavra de vida iluminada pela Palavra de Deus. Em Dt 32, 2 Moisés canta: “ Desça como a chuva a minha palavra, que se espalhe como orvalho como chuvisco sobre a relva… No sertão o povo canta ao Senhor pelo chuvisco que cai sobre a caatinga. A mesma canção se repete.

A insistência das ONGs

Mesmo diante de toda essa grandeza de sabedoria, muitas indagações vão surgindo e a pergunta que mais volta é: qual é o tempo que ainda sobra para se fazer a leitura dessa Palavra no meio das ONGs e no meio popular? É desafiante fazer opção por um trabalho bíblico, porque as ONGs precisam sobreviver e os projetos propostos pelo poder público são direcionados para determinados fins, seguidos de uma burocracia e tecnocracia que exigem o tempo integral deixando-as quase sem forças para a atuação em outros espaços urgentes na sociedade, nas comunidades. Diante dessa realidade desafiadora algumas ONGs ainda encontram força para ler a Bíblia. Em alguns momentos a gente chega a pensar e até se assusta, pois parece que se está fugindo da realidade cruel do mundo técnico-burocrático e brincando de se esconder da realidade ficando atrás de um texto bíblico. Do outro lado é ainda um sopro, um fio da voz profética que nos resta na esperança de que essa Palavra de vida e Palavra da Bíblia possa conservar os valores que ainda são sagrados no meio das populações menos favorecidas. Insistir é preciso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s