A EcoFamília em Festa voltou e com ela as boas energias

Apresentação teatral

Ela voltou, trazendo consigo o fortalecimento da parceria entre escola e família. Falamos da EcoFamília em Festa que esteve ausente por dois anos por conta do período de pandemia. O evento aconteceu durante o dia de sexta feira, (09) na quadra da Ecoescola Thomas a Kempis e contou com a presença de quase 500 pessoas entre pais, mães, alunos/as, equipe Ecoescola e convidados.

Este ano, a festa da família trouxe o tema: “É com alegria que voltamos a EcoFamília em Festa”. E foi de uma boa energia mesmo, porque a programação trouxe uma diversidade de atrações como peças teatrais, atrações musicais de voz e violão, sorteios de prêmios para as mamães, além de muita animação através das brincadeiras nos intervalos das apresentações.

A festa da família de fato havia deixado saudades nesses dois anos de ausência, afinal é ali onde as oficinas desenvolvidas na escola podem trazer o talento dos alunos no violão, teatro, capoeira e tantos outros. A festa trouxe a boa energia entre as famílias, pois nesse espaço, elas podem se encontrar e fazer aquele agradável bate papo. Um dia de festa mesmo.

Entidades da Sociedade Civil de Pedro II realizam Caminhada pelos/as Excluídos/as

Há 28 anos os movimentos sociais do Brasil realizam no dia 7 de setembro, o ato de manifestação pelas pessoas excluídas do País, o chamado Grito dos Excluídos/as, aqueles e aquelas que vivem a margem da sociedade, sendo em sua maioria pessoas que tem seus direitos desrespeitados na saúde, segurança alimentar, educação, emprego, moradia e tantas outras. Uma ausência escancarada de políticas públicas praticamente todos os dias. Nos últimos anos as bandeiras de lutas ampliaram com a negação ou redução de direitos historicamente conquistados, como por exemplo, a redução de direitos trabalhistas e a redução nos investimentos na educação. Já são 28 anos em que os movimentos sociais somam força em favor desse grito que precisa continuar ecoando em todo País.

O movimento do Grito dos Excluídos trouxe como tema esse ano, “200 anos de independência, para quem?, com manifestações em todo o Brasil. Em Pedro II, organizações como o Centro de Formação Mandacaru, Fundação Santa Ângela, o CERAC, Obra Kolping, Sindicato dos Trabalhadores/as Rurais entre outras Entidades realizaram uma caminhada pelas ruas da cidade trazendo as bandeiras de luta focadas nesses temas.

A caminhada teve concentração e início na Praça de São José Operário na Vila, seguindo pelas Avenidas José Lourenço Mourão e Coronel Cordeiro com parada no centro comercial da cidade, onde houve umas falas dos participantes. Depois a caminhada teve continuidade até a Praça da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, onde aconteceram apresentações musicais dos movimentos.

Durante a parada da caminhada foram abordados temas como educação, segurança alimentar, proteção as crianças, saúde, o ódio ideológico entre outros. Um espaço de fala em favor de todas as pessoas excluídas do Brasil. Foi lembrado também que se faz necessário o povo lutar para fazer valer seus direitos. Pois só assim é possível consegui melhorias e alcançar conquistas coletivas, diziam as pessoas representantes das organizações durante o momento de falas.

Família produz unida e gera renda com cultivo agroecológico

Frutas e verduras sem agrotóxicos

“Aqui não usamos nenhum agrotóxico em nossas hortaliças e fruteiras”. Diz muito empolgada a agricultora Vanusa na comunidade Pequis, município de Pedro II. Local onde a família Altino produz no quintal agroecológico Cercadin, nome dado pelos pais da família há muitos anos atrás e que permanece até hoje com uma grande variedade de frutas e verduras. Uma riqueza em diversidade e produtos saudáveis como banana, laranja, mamão, limão, milho, alface, cenoura, manga e tatas outras hortaliças.

Há quatro anos a família tem a assessoria técnica do Centro de Formação Mandacaru. Nesse período foram melhoradas a estrutura de produção, a diversidade de produtos, a economia no uso da água e o melhor, o aumento no consumo familiar em produtos saudáveis e a ampliação na geração de renda por conta dos produtos vendidos na comunidade e na cidade de Pedro II. A família Altino é uma das famílias participantes da Feira Agroecológica dos Saberes e Sabores que acontece toda terça feira na Praça do Mutirão em Pedro II.

Vanusa relata também que quando necessário, a família utiliza defensivos naturais, o que apenas repele e não mata os pequenos insetos ou abelhas, tão necessários no equilíbrio da fauna e flora do lugar.

Semanalmente, a família consegue retirar o sustento alimentar, além de comercializar os produtos na comunidade e colocar os demais a venda na feira agroecológica. Um planejamento que deu certo e só tem gerado saúde e riquezas através do Sítio Agroecológico Cercadin.

Circuito Lítero-cultural foi um sucesso e promoveu bons conhecimentos ao público

Foto: Neto Santos

Durante dois dias, (31.08 e 01.09) a Ecoescola Thomas a Kempis sediou o I Circuito Lítero-cultural com o tema “Literatura Piauiense: a que será que se destina?”, tendo como homenageado o autor piauiense Fontes Ibiapina. Foram dois dias de palestras, oficinas e atrações teatrais de obras literárias piauienses. O evento teve a organização da Associação Pedro-segundense de Letras e Artes – APLA e a realização da Ecoescola Thomas a Kempis. Uma parceria que segundo a organização gerou bons e ricos conhecimentos.

A abertura do I Circuito Lítero-cultural ocorreu na manhã do dia 31 tendo a presença ilustre de escritores/as, professores/as e Coordenadores/as das Entidades parceiras. Presença especial também do Presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, que na oportunidade proferiu a palestra de abertura do evento tendo como tema “Leitura e Cidadania”.

Entre os momentos marcantes do I Circuito Lítero-Cultural, destaque para a palestra “Fontes Ibiapina, um folclorista na academia”, com o Prof. Ms. Ernâni Getirana, a Leitura de contos do Livro Fins D’água (Genuíno Sales) apresentada por Auri Soares- Professora Mestre em Ciências da Educação, as oficinas de Fanzine com a poetisa Gerlane Lima e a de Pintura com os professores Juniel Rodrigues e Guimarães Júnior, além da roda de dança e atrações culturais com o grupo de Povos Indígenas do Nazaré – Lagoa de São Francisco.

Outro momento de emoção e talento foram as apresentações culturais de obras literárias do autor Fontes Ibiapina, muito bem apresentadas pelo grupo da oficina de teatro da Ecoescola Thomas a Kempis na tarde do primeiro dia. Um evento que reuniu o talento, a arte e cultura no mesmo espaço.

Ao término do evento a organização avaliou como um momento enriquecedor na sabedoria, além do fortalecimento no estudo e aprendizagem da literatura piauiense.

Mandacaru apoia carta em defesa do Estado Democrático de Direito

Foto: Jair Tatto

A carta em defesa da democracia e também do sistema eleitoral brasileiro lançada semanas atrás pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo – USP, teve amplo apoio de diversos seguimentos da sociedade brasileira. Ela teve inclusive sua leitura coletiva realizada por vários artistas do País. Seguindo a opinião de várias organizações dos movimentos sociais o Centro de Formação Mandacaru também entrou no apoio a carta, por entender que o sistema democrático do Brasil é eficiente, resguarda os direitos constitucionais da população e fortalece os poderes da República, o Executivo, o Legislativo e o Judiciário, todos independentes, autônomos e com o compromisso de respeitar e zelar pela observância do pacto maior, a Constituição Federal.

A carta teve amplo apoio no País atingindo mais de um milhão de assinaturas em poucos dias em que esteve disponível para a manifestação da população. Ela teve a coleta de assinatura em apoio suspensas na última segunda feira, (15.08) em obediência ao início oficial da campanha eleitoral ocorrido nesta terça feira dia 16.