Movimentos sociais e Paróquias de Pedro II acolhem a Cruz da Romaria

Entrada da Cruz na Matriz

Pedro II acolheu com muita animação na manhã desta sexta feira, (08) a Cruz da Romaria que está em peregrinação na Diocese de Parnaíba. Ela passará por todas as paróquias até chegar em Piripiri, cidade que sediará a 15ª Romaria da Terra e da Água nos dias 16 e 17 de julho. Eram 08:25 hs da manhã, quando a cruz chegou a Pedro II. Um animado grupo já estava a espera na entrada da cidade. Entre os grupos de acolhida estavam o Centro de Formação Mandacaru, O CERAC, a Fundação Santa Ângela entre outros colaboradores na realização da 15ª Romaria. O evento deve receber milhares de fieis e romeiros de todas as Dioceses do Piauí.

A acolhida da Cruz ocorreu no bairro Campestre, onde estavam presentes os movimentos sociais, pastorais e grupos de oração da Paróquia de Nossa Senhora a Conceição – Pedro II. A Cruz seguiu em peregrinação por algumas ruas no centro da cidade até chegar na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, onde foi celebrada a Santa Missa de acolhida.

A Cruz da Romaria permanece na Matriz até as 08 hs da manhã deste sábado, (09) onde segue para a Paróquia de São José Operário, também em Pedro II.

Nota de pesar

O Centro de Formação Mandacaru de Pedro II se solidariza com a família e amigos de Drª. Martha Tähnrich por ocasião de sua partida para a vida celestial ocorrida neste domingo dia 03/07 em sua residência no centro de Pedro II. Uma pessoa que deixou uma grande contribuição a toda a população de Pedro II nos campos de vida humanitária, saúde e vida religiosa.

Martha deixa saudades, assim como um grande legado de exemplo de vida missionária, quando saiu de sua terra natal na Alemanha para se dedicar aos mais necessitados.

Por esse e tantos outros gestos de humanidade deixamos aqui nossa homenagem e agradecimentos por tudo que Drª. Martha Tähnrich contribuiu durante sua vida.

Solidariamente…

Centro de Formação Mandacaru de Pedro II

CEBI Piauí realiza evento estadual em Pedro II

Foto: Neto Santos

O Centro de Estudo Bíblicos – CEBI realizou na Ecoescola Thomas a Kempis, durante os dias 24, 25 e 26 de junho seu Seminário Estadual que contou com a presença de coordenações bíblicas de várias regiões do Piauí como Piripiri, Parnaíba, Matias Olímpio, Esperantina, Teresina, Pedro II, Santa Rosa, Milton Brandão e Porto Alegre de Piauí. O evento teve a organização do Centro de Formação Mandacaru através do setor das escolas bíblicas. Esse é o segundo evento presencial do CEBI Piauí após dois anos. Mesmo assim vários cuidados com a pandemia foram tomados, inclusive o uso obrigatório de máscaras pelos participantes durante todo o evento.

Este ano o seminário trouxe dois temas para debate. O primeiro deles foi sobre os grandes projetos que estão impactando o Estado do Piauí, como a mineração e as grandes usinas eólicas. Foi aberto o debate sobre o quanto esses grandes projetos irão atingir a vidas dos povos no Estado.

Na tarde do sábado foi feita a discussão sobre a sinodalidade, por uma igreja da escuta. O objetivo do sínodo que acontecerá em outubro de 2023, no Vaticano, em Roma. Esse momento foi coordenado por Ana Café do Cebi Teresina. A busca por uma Igreja sinodal é um sonho que o papa Francisco vem querendo tornar realidade a partir de uma Igreja em saída, ao encontro de todas as pessoas em cada espaço em que se encontrem na sua realidade de vida, de modo especial que vive a margem da sociedade, nas periferias.

A outra temática do evento foi sobre a atual conjuntura política do Brasil, onde o Kelson França, Coordenador Estadual do CEBI fez uma apresentação trazendo alguns projetos de lei, como a PEC 191 que autoriza mineração em terras indígenas. Apresentou também dados de impactos ambientais como o desmatamento das florestas e o aumento na liberação do uso de novos agrotóxicos no Brasil. Ações de um de modelo de política do atual Governo Federal.

Em todos esses momentos de apresentações, eram realizados trabalhos de grupo para que os participantes pudesse trazer, estudar e debater textos bíblicos que abordam a vida, os desafios e a violação de direitos dos povos nos tempos de Jesus. Um evento que trouxe um estudo bíblico alinhado com as bandeiras de lutas dos povos nos dias atuais.  

Produção de batata doce gera renda para família agricultora

Hora da colheita

O Centro de Formação Mandacaru tem dentro de sua missão a convivência com o Semiárido, e essa convivência passa necessariamente pela educação ambiental e formal, pela produção agroecológica, pela as ações de sustentabilidade, pelo bem viver, além de outros temas e campos. Um exemplo bem prático vem da família de seu Antonio José da comunidade São João, uma família que já teve seus filhos estudando na Ecoescola Thomas a Kempis e hoje colhe bons frutos. Lá, em sua propriedade, a família cultiva batata doce há alguns anos. Uma atividade que tem trazido uma alimentação saudável, já que a batata doce está entre as leguminosas mais completas em nutrientes para o corpo humano, além de sua produção ser 100% agroecológica.

Em plena colheita nesse período que vai de maio até julho, o agricultor Antonio José relata com grande alegria a produção de 2022. Conta que esse ano tem uma das maiores colheitas já registrada na propriedade da família. “O inverno esse ano foi bom, o que facilitou nossa produção ser uma das maiores aqui”, afirma o agricultor. Com a venda de batatas, a família estar conseguindo uma boa renda financeira. Antonio José disse bem animado que já colheu esse ano mais de 400 quilos de batata doce. O que para a agricultura familiar é de fato uma quantidade grande para alimentar a família, por isso é possível vender o excedente.

Um outro dado importante com a produção de batata doce que a família cultiva é a possibilidade real de outras famílias da comunidade e região terem acesso a um produto saudável para sua alimentação. Por exemplo, a merenda para os alunos da Ecoescola desta quinta feira, (23) foi batata doce adquirida da produção na família da comunidade São João que um dia teve seus filhos estudando nessa unidade escolar.

A família de Antonio José traz também um exemplo bem prático e já trabalhado pela equipe do Centro Mandacaru, que é no tocante a segurança alimentar. Se a família produz de forma agroecológica a diversidade de frutas e legumes disponíveis dentro do seu quintal, estará gerando ali uma alimentação saudável, sustentável, produzindo soberania alimentar e em muitos casos a geração de renda familiar.

Nota de solidariedade

O Centro de Formação Mandacaru de Pedro II vem a público e através desta nota expressar nossa solidariedade e nota de pesar a família do jornalista Dom Philips, como também a família do indigenista Bruno Pereira pela forma covarde em que foram assassinados. Após dias de angústia e expectativas, a triste notícia foi confirmada pelas autoridades brasileiras. Nossa solidariedade aos povos indígenas da Amazônia que choram nesse momento a dor de perder dois defensores de seus territórios, suas matas, rios e suas biodiversidades. O Centro de Formação Mandacaru entende que essa é uma agressão direta a todas as pessoas, grupos e organizações que defendem a vida. Entende ainda que essas vidas vitimadas por esse sistema e grupos tão cruéis, elas precisam continuar sendo a motivação para que a luta não possa parar. Até quando Zózimo, Dorothe, Chico Mendes e tantos outros vão continuar sendo vítimas de um movimento ganancioso e destruidor que vivem a margem da lei? A essas famílias que hoje choram seus entes queridos perdidos, nossa força, orações e solidariedade.

O Centro de Formação Mandacaru também se une as várias outras organizações do Brasil e do mundo para que a justiça seja feita, que os verdadeiros culpados sejam encontrados, julgados e penalizados pelos seus crimes.  Basta de impunidade nesse País, abaixo a toda e forma de repressão e agressão à vida.

Mais dois combatentes da Mãe Terra perdem suas vidas, se faz necessário buscarmos forças e inspiração na coragem e exemplos desses e tantas outras pessoas. Pois assim seguimos a luta em defesa da vida e justiça social. A luta segue, a caminhada não será interrompida, tão pouco as vozes serão silenciadas.

A luta nunca foi fácil, porém sempre foi gratificante quando conquistamos novas vidas na caminhada. Assim como as sementes do bem sempre irão germinar. Bruno Pereira e Dom Philips vivem.

Centro de Formação Mandacaru de Pedro II