Centro Mandacaru celebra 25 anos de Caminhada

img_1854Numa celebração que reuniu quase mil pessoas, o Centro de Formação Mandacaru de Pedro II celebrou 25 anos de ações na convivência com o Semiárido na tarde e noite deste domingo (27.11). O evento reuniu num mesmo espaço convidados que ia desde o ex-funcionário até o público atendido nas comunidades. Estiveram presentes também colaboradores importantes nesse trabalho da Entidade como alguns amigos da Alemanha. A celebração foi dividia em três momentos que incluiu momento solene, celebração eucarística e festa popular. A programação teve início às 13 horas e seguiu até a meia noite. A festa celebrativa ocorreu na quadra da Ecoescola Thomas a Kempis.

A concentração inicial que também serviu de acolhida para as caravanas que tinham das comunidades ocorreu na Praça da Matriz, centro da cidade de onde seguiu em carreata para a Ecoescola.

A partir das 15 hs deu-se início a solenidade com a realização da mística de abertura organizada pelas Escolas Bíblicas.

Na sequência foi formada a mesa de honra onde ocorreram as falas dos convidados. O momento contemplou também o espaço popular onde as pessoas podiam vi até a frente para deixar sua mensagem para o Mandacaru.

A Santa Missa ocorreu às 18 hs também na quadra da escola. Foi celebrada pelo Padre Ladislau João da Silva, tendo como co-celebrante o Padre Bruno da Alemanha.

Durante sua homilia o padre Ladislau lembrou que as organizações que trabalham junto a sociedade devem fazer opção pelos pobres e dizia ele: “O Mandacaru fez essa escolha”. Lembrou também que a Entidade surgiu num momento especial, pois esse é o período do Advento, momento supremo por ser a preparação da vinda do Salvador Jesus Cristo.

A programação da noite foi encerrada com festa popular animada pelo grupo Mistura Fina de Piripiri.

A data de aniversário do Mandacaru é na verdade dia 30 de novembro, mas que por motivo de agendas, como também por ocorrer no meio da semana, a Direção da Entidade fez a opção em comemorar num fim de semana antes.

Um breve histórico do Centro de Formação Mandacaru de Pedro II

O Centro de Formação Mandacaru, entidade sem fins lucrativos, foi fundado no dia 30 de novembro de 1991, com o objetivo principal de “Promover a cidadania dentro da realidade nordestina, atuando no campo do desenvolvimento sociocultural, econômico, religioso e educacional”. Em sua formação original, contou com 11 sócios, tendo como primeiro coordenador, José Pinheiro dos Santos.

 

O nome Mandacaru foi uma sugestão de pessoas que participavam das Comunidades Eclesiais de Base – CEBs, em referência à resistência do cacto símbolo do semiárido e que, desde o princípio já se configurava como uma marca da instituição: o compromisso resistente e atuante contra um modelo de sociedade excludente, desigual e injusto, propondo, por sua vez, a construção de uma sociedade pautada nos princípios da justiça social, do protagonismo comunitário, da sustentabilidade.

Ao longo destes 25 anos, muitas mudanças ocorreram no cenário geopolítico, impondo novas exigências e adequações aos movimentos sociais, em alguns casos, criando ou refazendo possibilidades. O Centro de Formação Mandacaru, portanto, procurou compreender sempre o contexto e estar sensível às novas demandas. Desta forma, é que houve modificações em algumas linhas de trabalho, mas mantiveram-se aqueles princípios e propósitos iniciais. E a cada ano se fortalece o compromisso com o desenvolvimento de ações de convivência com o semiárido. Compromisso com a proposta de um novo olhar para o Semiárido como local de vida, espaço de construção de um novo modelo de sociedade, de produção, uma nova lógica de desenvolvimento.

 

Em 2001, uma ação inovadora vem fortalecer este compromisso. A implantação da Ecoescola Thomas a Kempis, escola de tempo integral, que tem como princípio a educação contextualizada, atendendo,prioritariamente, adolescentes e jovens da zona rural.  A escola, ao longo destes 15 anos de atuação, vem construindo uma proposta educativa que desperte o sentimento de pertinência a esta região semiárida, promova a autoestima valorizando as culturas e saberes locais e  efetive  ações  que propiciem condições para  uma cidadania  consciente.

Nesse processo incluem-se também o atendimento as famílias dos alunos no apoio a projetos da agricultura familiar. A Ecoescola atende em média 170 alunos por ano.

 

Nesta trajetória, tem sido importante o fortalecimento em redes e articulações com outras organizações que comungam das mesmas propostas através da RESAB – Rede de Educação do Semiárido Brasileiro, ASA – Articulação do Semiárido Brasileiro e ANA – Articulação Nacional de Agroecologia entre outras. Também com órgãos públicos e entidades privadas que desejam somar esforços na propagação do paradigma da sustentabilidade.

A colaboração de nossos amigos e grupos da Alemanha, os primeiros a acreditarem e apoiarem um projeto que ainda nem  estava bem configurado, mas que nascia de uma forte convicção de que era preciso agir para se  construir  possibilidades de vida melhor nesta região.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s